DUPLA CONDIÇÃO

dupla-condicao

Individualmente falando porém, que sou eu hoje?

Quando sua mulher morre aos 67 anos e você, com 69, fica, você é um velho e um viúvo, ao mesmo tempo.

Em princípio duas coisas ruins mas, certamente, distintas.

Não acho que sejam entidades somáveis: velhos todos ficamos, viúvos alguns.

De qualquer forma caso eu esteja me apresentando para um encontro com pretensões afetivas serei obrigatoriamente visto a partir desta dupla condição.

Penso: o que seria um velho e viúvo ou viúvo e velho?

(Inútil querer enfeitar, aos 69, no enquadramento cultural brasileiro, você não é um candidato a velho você é um velho efetivo, titular. Por certo, sendo velho é bem mais provável você enviuvar: viúvos moços são, é claro, muito mais improváveis. Mas também por certo viúvos velhos são mais disponíveis do que velhos casados e a viuvez tem certamente algo a ver com experiência; além do mais mobiliza um certo instinto cuidador feminino. É sempre possível, pois, ver o lado bom das coisas ruins; ou seja, auto-enganar-se).

Pensando como uma criança responderia a questão acima diríamos que um viúvo velho é um velho que ficou viúvo (mas não um viúvo que ficou velho que isso é outra coisa).

Pronto.

DUPLA CONDIÇÃO

2 comentários sobre “DUPLA CONDIÇÃO

  1. Lidia R A Prado disse:

    RETRATO
    Cecília Meireles

    “Eu não tinha este rosto de hoje,
    assim calmo, assim triste, assim magro,
    nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo.
    Eu não tinha estas mãos sem força,
    tão paradas e frias e mortas;
    eu não tinha este coração que nem se mostra.
    Eu não dei por esta mudança,
    tão simples, tão certa, tão fácil:
    Em que espelho ficou perdida a minha face?”

    Fernando, conheço esse poema desde a adolescência. E, desde então, ele me comove. Lendo-o agora, concluo (e talvez essa conclusão só sirva para o meu uso) que a mais difícil das perdas que os versos revelam é a do coração, quando deixa de ter capacidade de se mostrar, ou seja, de se fazer presente. Eu penso, sem negar a penosa e inevitável velhice física, que é mais velho aquele que não se entusiasma, não segue mais os impulsos da vida, não se envolve mais com os afetos. E isso independentemente da idade que tenha…

    Curtir

  2. Fernando Lefevre disse:

    Belíssimos versos. Eu por meu lado não me dei conta que tinha dois rostos quando me olhava no espelho e decididamente não sei em que espelho ficou perdida minha outra face. Ao olhar-me hoje no espelho vejo apenas um ser mutilado e é com esta visão que vou ter que me acostumar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s